Um bom gestor…é um bom coach!

What Google’s Best Managers do?

Na Harvard Business Review (HBR) de Dezembro de 2013, no artigo intitulado “How Google sold its engineers on Management", são identificados 8 comportamentos demostrados pelos gestores mais efectivos da Google. Um bom gestor:

  1. é um bom coach
  2. habilita a equipa
  3. interessa-se e preocupa-se pelo sucesso e bem-estar da sua equipa
  4. é produtivo e orientado para resultados
  5. é bom comunicador - escuta e partilha informação
  6. apoia o desenvolvimento de carreira
  7. tem uma visão clara e estratégica para a equipa
  8. tem competência técnica que lhe permite aconselhar a equipa

Na mesma edição da HBR, um outro artigo intitulado “You may not need big data after all”, sugere, a dada altura:

“utilize o coaching para melhorar a performance - parece que a combinação entre a clarificação de expectativas, os dados do desempenho e as regras de negócio claramente definidas, seria suficiente para ajudar as pessoas a tomar diariamente as suas decisões. Não é! O segredo está no coaching contínuo para melhorar o desempenho de cada um”.

E continua:

“muitas pessoas precisam de adquirir competências de coaching, o que levará a relações novas e diferentes. Na maioria das organizações, não será possível sobrepor esta nova cultura nas estruturas, funções e processos existentes. A mudança será disruptiva…”

O coaching.

Ser coach, está na ordem do dia para muitas empresas, equipas e para muitos gestores. E o que é que ganham as empresas, as equipas e os gestores com esta metodologia?  

O coaching é uma forma de ser gestor, de encarar a gestão de pessoas através de relações saudáveis e transparentes em que o fim último reside no bem-estar de cada um. 
Todos temos a ganhar com isso. Mas então, há “coachings" diferentes? Para a EEC, há uma forma de ser coach - é ajudar a transformar! 
O coach leva o seu cliente através de uma viagem entre o presente e o futuro onde a aprendizagem é o transporte. O coach não ensina, o coach ajuda a aprender. Age como catalisador, celebra as “reacções” para que o coachee se torne o principal agente e responsável pelo seu desenvolvimento, para que se aproprie das suas conquistas. Ao olhar o mundo com novas lentes, o coachee pode agir perante este de forma distinta, mais livre, mais eficiente e assim encontrar soluções para os seus desafios. Este novo ver corresponde a um novo ser. Desta forma, os desafios são superados, os resultados alcançados ganhando um maior auto-conhecimento, liberdade e autonomia.
 
A EEC facilita este processo de aprendizagem através de:

  • processos de coaching individuais;
  • programas desenhados especificamente para cada organização;
  • programas de formação de coaches executivos (para gestores com vontade de adquirir competências de coaching; e para pessoas que queiram dar os primeiros passos na sua formação e/ou certificação em coaching)

Por Ângela Marçal, Directora de Operações da EEC