Aprender e Ser

 
 
A palavra “aluno” deriva do latim “alere”, que significa “alimentar, sustentar, nutrir, fazer crescer”.

Por isso os participantes nos nossos programas não são vistos como “meros participantes” mas sim como alunos; como pessoas que procuram “alimento” intelectual, relacional, emocional com vista a melhorar a sua forma de ser e, por consequência, de fazer.

A nossa base de abordagem

As organizações são redes de conversações orientadas para a coordenação de acções e obtenção de resultados.

Partimos da premissa de que as organizações - as direcções, os departamentos, as equipas -  são redes de conversações orientadas para a coordenação de acções e obtenção de resultados. Para nós, a linguagem não permite apenas falar sobre as coisas. Da mesma forma que utilizamos a linguagem para descrever a realidade que observamos, podemos, através dela, criar/gerar, novas realidades. As conversas não são, portanto, apenas formas de trocar informação.

Acompanhamos os nossos alunos no seu processo pessoal de aprendizagem, de acordo  com o seu ritmo próprio. Trabalhamos para que cada um seja capaz de pôr em prática sistematicamente o aprendido e o apreendido.

Numa perspectiva de desenvolvimento, aprendizagem e evolução constantes, convidamos o participante a viver e a pôr em prática uma séria de experiências pessoais que acompanham um percurso teórico sustentado e rigoroso. 

Nas sessões lectivas a nossa prioridade centra-se na assistência aos participantes para que retirem o melhor de si mesmos, convidando-os a ser profissionais excelentes, pessoas excelentes. O desenvolvimento dos temas adapta-se às necessidades e características do grupo e dos seus participantes com o único objectivo de alcançar uma aprendizagem transformacional - uma aprendizagem para ser incorporada deverá ter uma componente afectiva, emocional; motivada por algo interno e significante para cada indivíduo.

Os profissionais da EEC actuam como facilitadores desta aprendizagem, ajudam o participante a descobrir:

  • Como o modo como interpreta as situações condiciona as suas acções (e os seus resultados);
  • Que poderá não estar a “ver” que poderia oferecer-se a si mesmo novas possibilidades e alternativas de actuação;
  • Como conversar com os seus colegas/colaboradores para os envolver nos projectos ou objectivos a alcançar;
  • Que pode fazer para liderar a sua equipa gerando compromisso e não obrigação.